Angola, Benguela - do passado ao presente

Latitude -13 ; Longitude 13
(lat=-12.57655, lon=13.40555)

Benguela faz 400 anos !!!   Reservem o dia 20 de maio de 2017 !!!

A corrente fria de Benguela modera as temperaturas da região costeira e reduz a humidade.
Benguela possui um clima quente e seco, com 25ºC de temperatura média e uma humidade relativa de 70 a 80%. Mombaka, a velha cidade de São Filipe de Benguela, fica mesmo de frente para São Salvador da Baía, no Brasil, a quem está ligada pelas águas do Kalunga Grande e pelo sangue dos escravos.

Acácias, Rosas de Porcelana e Martrindindes



A Praia Morena

A Cidade, rubra de acácias e salpicada de vida, descansa na areia fina da Praia Morena. É um local mágico, de encanto especial, onde o sol casa com a brisa fresca, transportando o pensamento ao ritmo suave das ondas. As casuarinas continuam a oferecer a sua sombra a jovens sentados nos muros, e a Pérgola, ainda rainha, recupera a coroa de buganvílias. A Prancha de Saltos, essa, é uma recordação antiga de risos e gritos, de uma alegria quase esquecida pelos mais velhos. E o Pôr-do-Sol é um espectáculo sempre novo, num céu de todas as cores, com o Sombreiro ao longe, erguido sobre o mar.

Filme da Praia Morena 2,8MB...

O Clube dos Amadores da Pesca, conhecido pelo "Porta-Aviões da Praia Morena", é um edifício de 2 andares, com balneários e um pequeno restaurante no rés-do-chão. O primeiro andar tinha um salão, usado como restaurante, salão de bailes e salão de exposições. O segundo andar era a Sede do Clube, restrito a sócios. Esteve muitos anos abandonado, mas foi restaurado no final de 2001. Actualmente está a funcionar em pleno, apesar das calemas de 2010 que quase arrancaram as casuarinas.


Ruas e casas de Benguela

Cheiros e sabores de Benguela

...voltar aos matrindindes gigantes ali para os lados da Camunda; voltar aos sonhos de menino perdido pelas hortas do Cavaco na caça implacável ao Siripipi e Janjans; às espinheiras e amendoeiras em flôr e as gajajas amarelinhas em cachos baloiçando na árvore da vida...
Eterna Benguela - Carlos Gouveia “Goia”- 2003

Cafés, Pastelarias, Restaurantes e Hotéis

Às 7 da manhã a Pastelaria Flamingo está cheia. Pão quente e uma pastelaria variada, fazem dela o local ideal para tomar o pequeno almoço.
Mais abaixo, o Restaurante Tudo na Brasa tem um bom serviço e bons pratos, e vale a pena experimentar o leitão assado, o bacalhau assado ou uns medalhões de vitela a 2.500 kz (23 dólares) o prato. Na Praia Morena, a sala interior do Restaurante do Porta Aviões alia um bom serviço a bons pratos, com uma esplanada inesquecível para beber umas cucas ao pôr-do-sol ou um gin à noite, terminadas as calemas. Para quem procura a melhor muambada de Benguela existe o Kassanga, por trás da antiga Canada-dry, um restaurante novo que pertence à gerência do Tan-Tan, estranhamente fechado para obras há mais de dois anos. No Restaurante Nónó, de Leonor Carrinho, frente ao Estrela 1º de Maio, é possível comer a peso ou "à la carte" comida variada e bem confeccionada, por 1.500 a 2.000 kz. A Residencial Sombra, a 250 metros da Praia Morena, dispõe de um ambiente muito agradável e arejado, boa comida e um óptimo serviço. Também é possível almoçar na Pensão Contente, preferida de muitos. Para tomar o café, o local recomendado é o Café da Cidade, circuito obrigatório para esticar as pernas depois de um bom almoço.

O Cinema Kalunga, o Cine Benguela, o Cine Teatro Monumental ...

Miss Angola 2002 decorreu no mítico cine-esplanada Kalunga, construído nos anos 60, completamente restaurado. No dia 21 de Dezembro de 2001, em pleno verão, Giovana Pinto Leite, de 18 anos e natural de Benguela, foi consagrada Miss Angola-2002. A "Semana de Sonho" incluiu passeios, espectáculos e actividades recreativas.

O Cine-Teatro Monumental anunciava em Abril de 2009 o espetáculo "O Cheiro da Feijoada" com a actriz Iléa Ferraz "a Fátima da novela Xica da Silva". A qualidade da peça fez esquecer a avançada degradação do edifício, a funcionar sem casas de banho.

O Benfica, o Sporting e o Nacional de Benguela.

A reabilitação dos velhos pavilhões do Sporting, do Estrela 1º de Maio (Antigo Benfica de Benguela) e do Nacional estiveram a cargo da empresa chinesa Ceiec. Foram remodelados os pisos e a cobertura, entre outros, e serviram como campos de treino para as diversas selecções participantes no Afrobasket2007.

Mas a grande estrela da cidade é mesmo o Estádio Nacional de Ombaka, construído de raiz para o Campeonato Africano das Nações, CAN2010.



O Autódromo de Benguela

Inaugurado no dia 21 de Maio de 1972 veio substituir o tradicional circuito da Praia Morena, que animou os anos 60. Marta, Peixinho e Nicha Cabral, foram nomes que deram vida ao autódromo e justificam uma passagem pelo site do tuku-tuku (Clube Angolano de Desportos Motorizados). Mas, para os mais novos, foram Yamahas, Hondas, Suzukis, Casais e Zundapps, que acenderam paixões em tardes de muita luz e muito pó. Esteve muitos anos votado ao abandono, até ao dia 11 de Outubro de 2001, em que assistiu ao 1º Grande Prémio "Cidade de Benguela" de Motociclismo. Parabéns ao tuku-tuku, que voltou à organização de provas tão do agrado do público.



O Cavaco e o Coringe.

Em 2005 ficou pronta nova ponte sobre o rio Cavaco, o Cavaco Seco, que em 2002 encheu e levou a velha ponte, construída em 1954

O Liceu Nacional Comandante Peixoto Correia (Hoje, Escola III nível Cdt. Kassanji),  o VCC, o Vento Novo, o L.13 L.13,  as praxes, etc...etc...etc...

O Liceu de Benguela passou a chamar-se Liceu Nacional Comandante Peixoto Correia a 15 de Maio de 1967. Essa medida, partiu de uma portaria de 9 de Abril de 1966, aniversário da Batalha de La Lis, que rezava assim:

A designação de patronos para obras de vulto, com o objectivo de se prestar condigna e duradoira homenagem a individualidades cuja vida de trabalho estrénuo e de abnegado sacrifício em prol do engrandecimento da Nação foi exemplo para contemporâneos e vindouros, constitui princípio salutar e eminentemente patriótico, já consagrado por longa tradição em todas as parcelas do território nacional. (...)


A Escola Alemã, o Magistério Primário, o Antigo Ciclo, a Escola Comercial e Industrial e o Lar.

O edifício centenário da Estação do Cabo Submarino, completamente destruído por um incêndio de grandes proporções na madrugada de 28 de março de 2015, funcionava como sede das direcções provinciais da Cultura e da Família e Promoção da Mulher em Benguela.

Conhecido nos últimos anos pelo edifício da Cultura, está quase esquecida a Escola Alemã, Deutschen Schule Benguela, com o Sr. Diretor Herr Von Marschall, as brincadeiras em alemão a caminho da Praia Morena, a Barbara e o Hans, a Roica e a Anne Christine, a Muki, a Filomena, as gémeas Susanne e Brigitte, a Mépi e a Luisa... Foi no tempo do Camacovo, o comboio malandro, que nas férias grandes se enchia de estudantes de regresso às fazendas do interior.

Mas o Cabo Submarino é bem mais antigo. Foi há 125 anos, em 1889, que a CS Scotia lançou os cabos telegráficos pela costa ocidental africana. A West African Telegraph Company, na  cidade do Cabo, ficou ligada a Mossâmedes, em Angola.  No mesmo ano, a  IRGP estendeu o cabo de  Mossâmedes a Benguela e a Luanda. Quatro anos depois o cabo dava literalmente a volta ao mundo, revolucionando as comunicações.

Hoje, Benguela tem as manhãs cheias de crianças a caminho da escola e tem a funcionar a Universidade Katyavala Bwila, com Faculdade de Direito, Faculdade de Economia, Faculdade de Medicina e Instituto Superior de Ciências de Educação (Isced).

O sector controla cinco universidades orgânicas na província de Benguela e uma no Kwanza Sul, com milhares de estudantes e centenas de trabalhadores, entre docentes e não docentes.





Links

Benguela, Poesia de Olímpio Neves   http://www.youtube.com/

Catumbela e Lobito, Fotos de 2009 por Fernando Baptista   Fotos em Picasa



Actualizado no dia 7 de dezembro de 2016.
As fotografias de 2009 e 2010 foram tiradas por Fernando Baptista. As fotografias de Agosto de 2005 por José Cardoso, as de Agosto e Dezembro de 2004 e as de Setembro 2008 são de Frederico Sá Pinto. As de Junho de 2004 foram tiradas pelo Pedro Cardoso.
As de Novembro 2003, foram tiradas por Paulo Marques, paulo.marques@tetrapak.com, as de Junho 2002 são da Mila Araújo e as de Setembro de 2002 de António Pina Ferreira, da Babaera. A fotografia "Lalipô" foi tirada em 1996 por Eduardo S. Martins ( DADO), nos bambus da Catumbela, e foi-me enviada do Canadá. timevisionphoto@hotmail.com
A todos, um grande abraço.